Transição alimentar

Kitten is eating dry food. On the eastern calendar 2011 - the year the cat.

Quando for necessário fazer uma mudança de alimentação, é recomendável fazer uma transição gradual, para evitar problemas digestivos e permitir que o novo alimento seja bem aceite.

O tubo digestivo contém microrganismos que constituem a flora intestinal que participa ativamente nos processos de digestão. No cão e no gato, esta flora intestinal é muito sensível às mudanças de alimentação, pelo que, ao contrário do homem, não se pode mudar de alimento a cada refeição, pois tal pressupõe a destruição da sua flora e causa diarreia.

Um momento especialmente crítico para mudar a alimentação é quando o gatinho ou o cachorrinho chegam ao lar. Este é um momento de grande stress (por causa do transporte, mudança de local, nova família, etc.) que favorece o aparecimento de problemas digestivos, que se agravariam caso se mudasse também a alimentação.

Por isso, é aconselhável sempre que ocorra uma modificação alimentar fazer a transição ao longo de uma semana. No primeiro dia oferece-se o alimento habitual com uma pequena quantidade do alimento novo e, a cada dia, coloca-se mais do novo e menos do anterior até que no fim dos 7 dias só fique alimento novo na gamela.

Esta transição também ajuda a que os animais mais exigentes e que reagem a qualquer mudança aceitem bem um novo produto. Oferecer de forma gradual o novo alimento permite uma adaptação de tipo gustativo e reduz as reações que se produzem às mudanças bruscas de alimento.