O stress nos gatos. O que é que o provoca?

Estrés. Comportamiento Gatos.

O tema do qual nos vamos ocupar tem sido muito falado ultimamente, o que levou a uma maior consciencialização por parte dos donos de gatos: a importância do stress na saúde.

  • O que é o stress?

Geralmente, o stress é definido como a reação geral do organismo perante uma situação ou uma mudança ameaçando o equilíbrio deste.

Dependentemente da mudança ser positiva ou negativa, mais ou menos duradoura e intensa e mais ou menos controlável, o stress que o animal vai experimentar poderá ser um stress “positivo” ou normal (chamado eustress) ou “negativo”, chegando a ser patológico (denominado distress).

Portanto, nem todo o stress que um indivíduo sofre é mau. O stress positivo ou eustress é um fenómeno habitual e quotidiano que permite ao organismo adaptar-se às mudanças ao longo da vida. Mas, atenção! Quando os fatores stressantes “colapsam” as capacidades de resistência e a adaptação do indivíduo, aparece o stress “negativo” ou distress, o que produz alterações do comportamento, inclusive o aparecimento de algumas doenças.

Uma vez entendido que existem dois “tipos” de stress e de acordo com os efeitos deste sobre o indivíduo, a partir de agora quando falarmos de stress estaremos a referir-nos exclusivamente ao stress negativo ou distress.

  • Qual é a diferença entre stress e ansiedade?

Com frequência, os termos stress e ansiedade utilizam-se indiferentemente, como sinónimos. No entanto, não são exatamente a mesma coisa. Para simplificar, podemos dizer que o stress é um fenómeno que afeta de forma geral qualquer organismo; pelo contrário, a ansiedade é uma reação emocional (mental) de alerta ante um perigo que ameaça o animal.

A relação (e provavelmente a confusão) entre ambos os conceitos baseia-se no facto de a ansiedade ser uma reação emocional mais frequente no stress. Por sua vez, para além do stress ser uma das fontes mais habituais da ansiedade, também a ansiedade pode criar stress.

  • O que é que causa stress aos gatos?

As ameaças ao equilíbrio orgânico do animal que produzem stress podem ser externas ou internas. As externas provêm do ambiente onde vive e as internas, ou do próprio organismo do gato, são sobretudo as doenças ou patologias de que sofre o animal e que também criam stress.

De facto, em muitas ocasiões é quase impossível determinar se uma alteração do comportamento do gato se deve a um problema médico ou a uma situação de stress, já que os  sintomas e sinais que manifesta são muito parecidos.

Deixando de lado as doenças ou fatores internos que criam stress, as causas externas ou provenientes do ambiente que com maior frequência dão lugar a reações de stress e/ou ansiedade nos gatos são as alterações do ambiente físico e os fatores sociais.

Neste caso, os gatos são animais muito “apegados” ao território deles e qualquer mudança no ambiente é capaz de criar reações de stress. Assim, algumas situações habituais stressantes são as mudanças, as obras na casa, as mudanças de mobiliário, as viagens e os sons derivados da atividade humana.

Por outro lado, cada vez com mais frequência os gatos são “obrigados” a viver em condições que comprometem a conduta natural deles e a cumprir as expectativas dos donos, relativamente a como se devem comportar, o que pode criar efeitos muito indesejáveis. Alguns destes fatores são a convivência com outros gatos em casa, o aparecimento e/ou introdução de outros gatos no território, os cheiros e a visão de outros animais, relações inadequadas com os donos (por exemplo, tentar ter demasiado contacto com o gato) e visitas de indivíduos (humanos ou animais) desconhecidos.

De acordo com a intensidade e duração destes fatores, mas também das características de cada animal, do grau de sociabilização, etc., a reação de stress será mais ou menos intensa e terá maiores ou menores consequências. Nem todos os gatos se stressam com as mesmas coisas nem da mesma forma.

PABLO HERNÁNDEZ. ETÓLOGO VETERINÁRIO