Plantas tóxicas para gatos

Plantas tóxicas para gatos

O gato é um animal que, por vezes, tem o impulso de mastigar plantas. Logicamente que muitas das que tem à sua disposição são, na sua maioria, ornamentais e exóticas, podendo causar diversos efeitos sobre ele.

Algumas plantas são completamente inofensivas para o gato, como os coléus, a alface ou as violetas. Outras produzem uma espécie de euforia, mas sem qualquer perigo, como a erva dos gatos. No entanto, outras são extremamente perigosas para ele, já que têm propriedades tóxicas, que podem causar problemas digestivos, neurológicos, cardíacos ou dermatológicos.

A lista de plantas tóxicas é extensa, podendo ser praticamente impossível impedir que o gato aceda a alguma delas, especialmente se tiver acesso ao exterior, multiplicando assim o risco.

Relativamente às plantas tóxicas para o gato, dentro de casa, devemos ter muito cuidado com as sementes das maçãs (Malus domestica) e dos alperces (Prunus armeniaca), uma vez que são muito tóxicos para o gato, pois ambos produzem alterações na visão (incluindo a dilatação da pupila) e na respiração.

A flor-do-natal (Euphorbia pulcherrima) é também muito comum nas nossas casas, especialmente no inverno, mas é uma planta extremamente venenosa para o gato, porque o simples contacto com a sua seiva provoca irritação na pele e nos olhos, comichão e bolhas. Caso seja ingerida pode provocar diarreia, vómitos, dor abdominal e lesões nas mucosas.

A cica (Cycas revoluta) é uma planta de pequeno porte, relativamente comum no interior das casas e é uma das mais tóxicas para o gato, podendo provocar diarreia, vómitos, gastroenterite hemorrágica e, em casos extremos, problemas hepáticos e a morte.

No exterior, o gato pode encontrar o eucalipto (Eucalyptus spp.), que pode provocar-lhe vómitos, diarreia, fraqueza e excesso de salivação. O mesmo acontece com as tulipas, os lírios e as begónias. Relativamente ao bolbo da tulipa (Tulipa spp.), ele é a parte perigosa da planta, que causa irritação gástrica, vómitos e diarreias. Quanto aos lírios (Iris germanica), podem causar hipertensão arterial, dor abdominal, diarreia, vómitos e mal-estar geral. Ainda assim, nem todas as begónias (Begoniaceae) são tóxicas. Contudo, em caso de dúvida, o melhor é evitá-las, pois podem causar irritação na boca, dificuldade em engolir e vómitos.

Tanto no interior como no exterior, e dependendo da espécie, o gato deve evitar azáleas (Rhododendron), que são de tal forma tóxicas que podem provocar a morte, embora o gato apresente previamente vómitos, diarreia, excesso de salivação, hipertensão e coma.

Existem diversas espécies de hera (Hereda spp.), algumas tropicais, e que encontramos no interior das casas, e outras que se adaptam ao clima das nossas latitudes. Embora toda planta seja tóxica, os frutos são especialmente perigosos. O simples toque pode causar dermatite, bolhas e erupções, mas, quando ingerida, surgirão vómitos, diarreia, febre, mal-estar geral, espasmos e distúrbios do ritmo cardíaco. Em casos extremos, poderá levar à morte.

A marijuana (Cannabis sativa) não é muito comum, porque a sua posse é ilegal. Contudo, devemos saber que é extremamente tóxica para o gato, alterando a coordenação dos seus movimentos e provocando vómitos, diarreia, salivação excessiva, taquicardia, convulsões e até mesmo coma.

Por fim, falaremos da dieffenbachia (Dieffenbachia bowmanii), cujo látex é bastante tóxico. No entanto, a intoxicação não é habitual porque os sintomas aparecem imediatamente: irritações na pele, inflamação e bolhas. Se for ingerida, provoca dor e ardor na boca, inflamação da garganta e estômago, dificuldades em engolir, vómitos e dificuldades respiratórias.