O gato e a sua convivência com outros animais de estimação pequenos

El gato y su convivencia con otras mascotas pequenasTodos sabemos que o gato pode conviver com outros espécimes, inclusive com o seu inimigo “tradicional”, o cão. No entanto, não é de estranhar que os amantes de animais tenham outros animais de estimação em casa que possam ser presas potenciais para ele, tais como peixes, coelhos e aves.

Tal como referido noutras áreas relacionadas com o comportamento do gato, o melhor a fazer-se é habituar o gato à presença deste tipo de animais desde pequenino, pois só assim é que o seu instinto de predador pode ser controlado com algumas garantias.

O processo de habituação enquanto é cachorro ocorre geralmente de forma natural. Contudo, e até que tenhamos a confirmação de que as brincadeiras com o outro animal não comprometem a sua integridade física, nunca devemos permitir que o gatinho consiga alcança-lo sem a nossa supervisão.

Caso se trate de um gato adulto que comece a conviver com um animal, que na natureza seria uma presa, o mais provável é que apenas consigamos que ele tolere a presença de outros animais recorrendo a jogos, principalmente, e criando rotinas que evitem as situações que despertem o seu instinto de predador.

Na verdade, não podemos afirmar que tal seja impossível, mas, e dada a personalidade peculiar do gato, o mais adequado será pedir conselhos ou ajuda diretamente a um especialista em comportamento felino, caso seja necessário.

Como vimos anteriormente, o melhor será tomar medidas de prevenção. Assim, as aves, que constituem um dos grupos de presas preferidos dos gatos, não só devem permanecer na sua gaiola, como devemos igualmente impedir que o gato tenha acesso à gaiola sem a nossa supervisão, pois mesmo que o gato não alcance o pássaro, este pode colapsar devido ao próprio susto.

Por sua vez, os peixes e os répteis geralmente devem estar nos seus espaços climatizados. Como geralmente são em vidro ou de algum material transparente, mas resistente às garras do gato, não nos devemos preocupar em excesso. No entanto, devemos tomar medidas para que ele não possa introduzir a pata na água, caso tenhamos peixes, ou no terrário, caso tenhamos répteis. Neste último caso, o ideal será utilizarmos um meio que impeça o gato de abrir a porta.

Outro grupo de animais de estimação frequentes em casa são os pequenos roedores (ratos, coelhos, esquilos, gerbos, etc.). Tal como no caso das aves, o ideal é que estejam no seu próprio espaço. Contudo, devemo-nos certificar de que a pata do gato não passa entre as barras, caso seja uma jaula, e, caso passe, que não consiga alcançar os animais.

Não nos devemos esquecer que o gato é um predador muito eficaz e que os séculos de domesticação apenas reduziram o seu instinto.