O banho

O banho

É possível que o nosso cão necessite de um banho em algumas ocasiões e não haja nenhum motivo higiénico para não fazê-lo, mas devemos respeitar certas normas.

A primeira é ajustar a frequência do banho às verdadeiras necessidades higiénicas do cão, uma vez que banhos muito frequentes podem causar algum transtorno à pele, um risco que aumenta se os produtos cosméticos utilizados não forem adequados.

É claro que, para o banho não ser uma tortura para o cão nem para o dono, é imprescindível que esteja habituado desde cachorro.

Tendo visto estas noções básicas, vamos agora ver como dar um banho com as melhores condições possíveis. Curiosamente, começamos pelas condições anteriores ao banho: o pelo deve estar desenriçado, senão, quando molhado, torna-se emaranhado e impossível de escovar, de modo que necessitará de ser cortado.

Mesmo antes do banho, deve ter-se preparados todos os utensílios, desde os produtos cosméticos até um tapete antiderrapante no fundo da banheira, passando pelas toalhas com as quais se retira o excesso de humidade.

Também é muito importante que a temperatura ambiente da divisão seja adequada, pois o cão pode constipar-se caso esteja demasiado frio.

Quando o cão estiver dentro da banheira, deve molhar-se cuidadosamente com água morna, quase quente. Não é imprescindível, mas se quiser deixar água no fundo da banheira, o nível máximo deve ser até roçar o peito, nunca acima disso pois pode dificultar os movimentos.

Quando o cão estiver completamente molhado, aplica-se o champô, que deve espalhar-se de forma homogénea por todo o corpo. Para tal, é melhor colocar uma pequena quantidade na palma da mão e aplicá-la em diferentes partes do corpo, para depois poder espalhar o máximo possível. É necessário ter em conta que se deitar toda a quantidade de champô necessária no lombo para depois espalhar, será más difícil que chegue de forma homogénea ao resto do corpo, uma vez que a quantidade máxima ficará concentrada no dorso.

A última parte que se deve ensaboar é a cabeça, e deve ter-se muito cuidado para não entrar espuma nos olhos, nas orelhas ou no nariz.

Depois de aplicar corretamente o champô, é necessário enxaguar o pelo de forma a conseguir eliminar completamente todo o champô, pelo que, mais uma vez, é de realçar a importância de aplicar pouca quantidade e espalhá-la de forma adequada.

Conforme as características do pelo, pode aplicar-se um condicionador, seguindo sempre as indicações do fabricante, pois alguns requerem esclarecimento quanto à sua utilização.

Depois de enxaguar bem, é preciso remover o excesso de água, primeiro pressionando suavemente com as mãos e depois com as toalhas, que temos preparadas desde o início. Depois de retirar o excesso de água vem a parte mais detestada por muitos cães, o secador, que apesar disso é imprescindível, uma vez que se o cão ficar húmido pode constipar-se ou causar alguma irritação na pele. Isto também deve ser feito no verão.

Deixámos este ponto para o fim devido à sua importância, mas antes de começar deve remover-se tudo o que se possa romper ou partir e se encontre ao alcance do cão, especialmente objetos de vidro!