Nutrientes básicos para a alimentação responsável do seu cão

O cão, considerado como omnívoro ou carnívoro não estrito, precisa de nutrientes em proporções e quantidades adequadas às suas necessidades. A seguir, explicamos-lhe quais são os nutrientes necessários ao cão e para que servem muitos deles.

  • Água. É o principal dos nutrientes, sem o qual não seriam possíveis as restantes funções do organismo. Por isso, o cão deve ter sempre água à sua disposição, quanto mais fresca melhor, mas nunca deve ser fria do frigorífico.
  • Proteínas. São formadas por cadeias de aminoácidos e servem para que o organismo construa e regenere os tecidos. Também lhe permite fabricar enzimas que desempenham uma função relevante nas reações químicas vitais. Alguns aminoácidos sintetizam-se a partir de outros, mas os “aminoácidos essenciais” não podem ser sintetizados pelo organismo e é preciso oferecê-los com a comida.
  • Hidratos de carbono. Dentro deste grupo incluem-se os amidos e os açúcares, que fornecem energia para usar imediatamente. Aqui também estão as fibras, tal como a celulose, o psyllium, os prebióticos, os fruto-oligossacarídeos (FOS) e os manano-oligossacarídeos (MOS).
  • Lípidos. Também chamados gorduras, a sua principal função é fornecer energia, que se o organismo não utiliza acumula-se e provoca um aumento de peso. Por outro lado, as gorduras fornecem ácidos gordos. Entre os mais importantes estão os das séries omega 3 e omega 6. Os ácidos gordos omega 3 são conhecidos pelas suas propriedades anti-inflamatórias, sobretudo o EPA, ácido eicosapentaenóico e o DHA, ácido docosa-hexaenóico que se encontra no peixe azul. Os ácidos gordos Omega 6 são uma fonte de ácidos gordos essenciais e são importantes para manter a saúde da pele e a qualidade da Algumas fontes ricas em ácidos gordos omega 6 são os óleos vegetais, tal como o de soja e o de girassol.
  • Minerais. São indispensáveis para determinadas funções e não têm uma origem orgânica.
    • Macroelementos: o organismo precisa deles em quantidades relativamente grandes. Este é o caso do fósforo, que transporta a energia; o magnésio, imprescindível para que se produzam os impulsos nervosos; o potássio e o sódio, que intervêm no equilíbrio iónico celular; e o cálcio, que permite a ossificação dos ossos.
    • Oligoelementos: o organismo necesita-os, mas em menor quantidade. A este grupo pertence o ferro, imprescindível para sintetizar a hemoglobina nos glóbulos vermelhos (os que levam o oxigénio às células); o zinco, para o desenvolvimento cutâneo; o cobre, para sintetizar os pigmentos da pele; o iodo, que ajuda ao funcionamento da glândula tiroide; e o selénio, que atua como antioxidante.
  • Vitaminas. A importância destas está no facto de regularem o funcionamento das células. Algumas são solúveis na água (hidrossolúveis) e outras solúveis na gordura (lipossolúveis), de maneira que, de acordo com o tipo, as vitaminas chegam às células através da água ou da gordura. Já sabe que as vitaminas costumam receber uma denominação alfabética, no entanto, existem algumas vitaminas com nome próprio:
    • A biotina (vitamina H): imprescindível para a pele e a pelagem.
    • A tiamina (B1): básica para o funcionamento do sistema nervoso.
    • A riboflavina (B2): chave para o metabolismo da pele.
    • O ácido pantoténico (B5): indispensável para o crescimento.
    • A piroxidina (B6): que contribui para a energia

Outros nutrientes. Para além de todos os nutrientes que até agora abordámos, existe um grande grupo de nutrientes que, sem ser indispensável, ajuda a manter a saúde do cão. Denominam-se nutracêuticos e podem ter funções muito variadas, assim como existem os antioxidantes, condroprotetores, digestivos, etc.