Como obter o meu animal de estimação ideal?

As maneiras de obter um animal de estimação são, basicamente, a compra, como presente e a adoção. Todas elas são igualmente legítimas, dependendo do nosso poder de compra, dos nossos gostos e dos nossos valores.

Independentemente do método de obtenção escolhido, no momento da seleção devemos prestar atenção a vários aspetos. O primeiro é verificar se não existem sinais de diarreia ou de mucosidades no nariz ou nos olhos, se o animal está com o seu peso correto (especialmente que não esteja demasiado magro, no caso de ser um cachorro muito jovem), se a pele não tem descamações e se o pelo é brilhante e lustroso.

Obviamente que não devem existir também sinais de que o animal coxeia ou dificuldades motoras e, se for um gatinho ou um cachorro, um comportamento brincalhão ou tranquilo pode ser um indicador da sua personalidade no futuro. Contudo, é adequado que esteja bem consciente do que acontece à sua volta, nunca ficando apático.

Se, por qualquer razão, escolhermos um animal de estimação que não demonstre estar em boas condições de saúde, devemos assumir maiores responsabilidades.

Imediatamente após a entrada do gato ou do cão nas nossas vidas, devemos levá-lo ao veterinário para fazer um exame adequado. Identifique-o com o método estabelecido pelas autoridades – em alguns casos, o microchip (se já o tiver, o veterinário procederá à alteração do titular) – e o veterinário dar-nos-á as indicações mais adequadas para a saúde do animal.

COMPRA

É utilizada habitualmente para obter um animal com características específicas, principalmente de raça, que, em termos gerais, determinarão as suas características físicas e a sua personalidade. Os dois meios mais importantes para se obter um gato ou um cão com estas características são as lojas e os criadores.

Hoje em dia, nas lojas de animais, podemos encontrar todos os tipos de espécies, incluindo os gatos e os cães. Se este for o método escolhido para obter um animal de estimação devemos dar muita importância ao tratamento dado aos animais e ao estado das instalações, pois um lugar sujo e descuidado poderá ser um foco de transmissão de doenças e causar stress ao animal.

Por isso, a loja deve estar limpa e a o local onde são colocados os animais deve ter espaço suficiente para se moverem. Tudo isto está habitualmente regulamentado pelas autoridades competentes. Por isso, é da nossa responsabilidade estarmos informados para sabermos se a loja cumpre as normas.

Melhor ainda será conhecermos a origem do animal

Devemos assegurar-nos da origem dos animais e evitar os criadores que não reproduzam de forma responsável, muitas vezes criadores intensivos. Em algumas ocasiões, os cachorros são provenientes de criadores estrangeiros, viajam amontoados nos veículos de transporte e sem terem recebido os cuidados mínimos durante todo o trajeto, tais como a comida e a bebida. Já para não falar dos cuidados prévios ao seu transporte, entre os quais se destacam os maus processos de desmame e de socialização, bem como a falta de vacinação para reduzir o risco de certas doenças em tão tenra idade.

Talvez por isso a venda em loja por catálogo seja uma prática que se está a tornar cada vez mais comum. Este método consiste em que a loja possua um número de criadores profissionais, que colocam à sua disposição os cachorros que desejam vender, de modo que o potencial comprador possa fazer uma pré-seleção através de fotografias e, se estiver interessado, o criador leva o cachorro para a loja após a marcação de uma data. Assim o cachorro permanece na loja apenas pelo tempo estritamente necessário, o que é extremamente benéfico. Esta situação também joga a favor da loja e do comprador.

A loja é um lugar perfeito para se obter um animal de estimação, porque é um estabelecimento onde também podemos comprar tudo o que precisamos para si, bem como receber conselhos sobre o nosso animal de estimação posteriormente. Além disso, se houver algum problema, é mais fácil fazer uma reclamação.

O criador é outra das opções

Por outro lado, podemos contactar diretamente com um criador. Neste sentido, existe um grande número de criadores responsáveis e especialistas, que não se preocupam apenas com a beleza dos seus exemplares, mas também que estes conservem a personalidade correspondente à raça (por exemplo, que um cão de proteção não deva ser medroso ou um cão pastor agressivo).

Este tipo de criadores geralmente entrega o animal devidamente identificado e com as normas de saúde correspondentes à idade, por exemplo, com microchip e as primeiras vacinas administradas, bem como as suas desparasitações prévias. Além disso, deverá entregar-nos um comprovativo de registo para obter o seu pedigree.

Habitualmente este tipo de criador não se opõe a que visitemos a sua casa, ou local de criação, deixando-nos ver a ninhada completa e até mesmo os pais. Neste caso, será mais fácil observar as condições em que o animal foi criado, o que ditará a sua saúde física e comportamental.

Precisamente graças ao zelo com que estas pessoas criam, não nos devemos surpreender, nem incomodar, se nos perguntarem sobre como irá viver o animal, pois saber o tipo de vida que o animal de estimação irá levar é de extrema importância para elas.

Cuidados ao comprar on-line

Se a compra for feita através da internet, é aconselhável que não seja feita qualquer reserva económica sem antes ver o animal, de preferência no seu ambiente e com a sua mãe e irmãos. Comprar um animal após ter visto apenas algumas fotos e uma descrição do vendedor é um grande risco, porque o exemplar enviado poderá ser diferente. Não estamos a afirmar que iremos, com toda a certeza, ser vítimas de uma fraude, já que existem muitas pessoas sérias que oferecem os seus cachorros em plataformas on-line, mas que devemos ser extremamente cautelosos e, se possível, ir ver o animal de estimação antes de fazer a compra ou reserva.

Sendo uma transação económica, quando compramos um animal de estimação, seja numa loja ou diretamente a um criador, para além de um certificado sanitário, devem explicar-nos os passos para obter o seu pedigree, dar-nos o boletim de saúde (onde devem constar as vacinas que foram administradas e o número de identificação), as garantias contra possíveis doenças hereditárias, um contrato de venda, onde constem os dados do animal de estimação (com o mesmo número de identificação que consta no boletim) e a fatura correspondente. Apenas desta forma se poderá fazer uma reclamação, caso requeira a intervenção das autoridades.

PRESENTE

É um método relativamente comum para obter-se um animal de estimação e, na sua maioria, são provenientes de ninhadas nascidas em casa, e de cruzamentos fortuitos, ou de donos que ainda consideram que a reprodução é uma parte fundamental na vida dos seus animais de estimação, o que está completamente errado. Estes animais, muitas das vezes, são dados a pessoas próximas, tais como familiares, amigos e vizinhos.

Sabemos o quão tentadora é a oferta de um lindo cachorro por alguém próximo, mas neste caso devemos refletir ainda mais, se possível. A decisão deve ser sempre cuidadosamente ponderada, considerando os prós e os contras e o peso de cada um deles. Não podemos dar-nos ao luxo de fazer uma escolha impulsiva e errada, pois o prejudicado será o animal, que não tem qualquer culpa.

Lembre-se que a obtenção de um animal de estimação desta forma é aquela que gera mais abandonos. Devemos pensar sem pressas e ficar com o animal de estimação apenas se tivermos a certeza!

Só se o desejarmos de verdade

Do mesmo modo, os cachorros nascidos desta forma são geralmente separados da mãe muito antes do que é recomendado para a sua saúde. Por isso, quando pensarmos em ficar com um cachorro nascido em casa de um conhecido, nunca devemos separá-lo da mãe antes das 8-10 semanas de idade. Este período é crucial para um equilíbrio da personalidade no futuro.

Tal como no caso de uma compra, é também altamente recomendável que chegue à nossa casa com a primeira dose de vacinas, pois assim reduz o risco de contrair doenças.

Por fim, se desejarmos oferecer um gato ou um cão a um ente querido, devemos previamente ter a certeza de que essa pessoa realmente o quer. Por isso, e antes de fazê-lo, devemos saber exatamente aquilo que deseja. E até mesmo deixar que seja a pessoa a escolhê-lo diretamente.

ADOÇÃO

A adoção é uma das formas de obter um animal de estimação e que tem vindo a adquirir cada vez maior adesão, devido à sensibilização do público em geral acerca dos efeitos do abandono.

As entidades onde poderá encontrar animais de estimação para adotar poderão ser institucionais ou privadas, ou até mistas, pois são várias as entidades privadas que contam com o apoio de alguma instituição pública. Estas associações de proteção e ajuda aos animais estão espalhadas por todo o território nacional e, na sua maioria, recolhem animais de todos os tipos, embora algumas se especializem em determinados tipos de animais, tais como aquelas que apenas recolhem gatos abandonados.

Geralmente os novos donos devem responsabilizar-se pelas despesas com o animal de estimação que a associação protetora teve ao resgatá-lo ou alimentá-lo. Contudo, e na realidade, esse pagamento representa um rendimento que lhes permite acolher novos animais. Por norma eles são entregues mediante o compromisso de esterilização cirúrgica do animal, caso ainda não tenha sido feita, mas os requisitos dependem de cada associação. O melhor será consultar aquela de que mais gostarmos.

Escolher um animal através deste meio tem a compensação de sabermos que estamos a ajudar a associação protetora, a sociedade em geral e, mais importante ainda, um animal que passou por uma experiência terrível de ser abandonado.