Como e porquê mudar a alimentação do cão

Como y por qué cambiar la alimentación del perro

Devido à sua natureza, os cães devem comer sempre o mesmo alimento, que deve ser adaptado às suas necessidades nutricionais específicas, como, por exemplo, a idade ou se é ou não esterilizado cirurgicamente, entre outras.

No entanto, há momentos na vida do cão em que é essencial efetuar alguma mudança, por exemplo, durante o desmame, quando se torna adulto ou quando atinge a terceira idade. No entanto, se tal alteração for repentina, isto é, quando um alimento é substituído diretamente por outro, podem ocorrer perturbações digestivas. Por isso, é recomendável efetuar a mudança gradualmente (transição de alimentos), o que também facilita a aceitação do novo alimento.

A razão é determinada pela sensibilidade às alterações na flora intestinal, presente no tubo digestivo dos cães (o que não acontece nos humanos), e que é formada por micro organismos que estão ativamente envolvidos nos processos digestivos. Por isso, se um cão comer um alimento diferente todos os dias, a sua flora intestinal fica destruída, originando diarreia.

A mudança de alimentação é importante para o cão ao longo da sua vida, mas quando é ainda cachorro, e recém-chegado a casa, é ainda mais relevante, já que durante este processo é submetido a grandes níveis de stress devido à mudança radical que implicou a saída do seu ambiente habitual – com a sua mãe e irmãos – e a chegada a um lugar novo – com pessoas novas, etc.-. Este stress aumenta o risco de aparecimento de problemas digestivos, que seriam mais graves se a sua alimentação fosse igualmente alterada.

Por esta razão, é recomendada uma mudança gradual durante uma semana. Assim, no primeiro dia da mudança do alimento, damos-lhe o alimento habitual com uma quantidade reduzida do novo (pode ser de 25%). A quantidade é aumentada todos os dias, caso não surjam sintomas de perturbações digestivas. Obviamente que, ao adicionar uma maior quantidade do alimento novo, vai-se reduzindo a quantidade do anterior, até que ao sétimo dia já só lhe damos o alimento novo.

Essa transição alimentar é muito eficaz para os cães mais exigentes, e que normalmente rejeitam as alterações, aceitarem um novo alimento.

Por fim, quando um cão necessita de uma mudança de alimentação devido a alguma doença que assim o determine, devem-se seguir as instruções do veterinário, pois, em alguns casos, é fundamental substituir radicalmente o alimento. Mas, neste caso, é o profissional que nos deve aconselhar oportunamente.