Gato comun europeu

Gato-comun-europeo-ficha-entrada-esHISTÓRIA

A origem do gato comum, cientificamente denominado Felis silvestris catus, data do Quaternário, quando surgiu o gato selvagem de Martelli (Felis lunensis) há 1,8 milhões de anos. No entanto, foi apenas no fim da segunda era glaciar – quando apareceu o seu antepassado mais próximo, o Felis silvestris – que se deu a sua propagação pela Europa, Ásia e África, com uma evolução em três espécies diferentes.

De acordo com os especialistas, o gato comum atual provém da espécie africana – Felis silvestris lybica – por duas razões principais: foram os antigos egípcios a domesticá-lo há milhares de anos e esta seria a espécie mais dócil das três; de facto, a europeia – Felis silvestris silvestres – considera-se totalmente selvagem.

A data da domesticação por parte dos egípcios situa-se entre 4.500 e 2.500 anos a. C. e considera-se que começou com a aproximação espontânea dos gatos selvagens aos assentamentos humanos.

Tal como fizeram os britânicos – selecionando gatos comuns que viviam nas ilhas para criar o British Shorthair – em 1983, a Federação Internacional Felina reconheceu a raça europeia (selecionada a partir de gatos comuns continentais sem pedigree e com um standard diferente). Hoje em dia é a única associação internacional que a reconhece, como o testemunham os criadores que a ela se dedicam e os exemplares presentes nas exposições.

TEMPERAMENTO

Descrever o temperamento do gato comum europeu não é fácil porque há uma grande variedade de caracteres, desde os extraordinariamente distantes e desconfiados, até aos extremamente carinhosos e sociáveis. Alguns também são muito nervosos enquanto outros, pelo contrário, se mostram bastante tranquilos. Naquilo que todos costumam coincidir é na tendência para ser muito alegres enquanto gatinhos e mais serenos quando crescem e atingem a maturidade.

O carácter reservado próprio do gato torna-se ainda mais marcado quando não sociabiliza de forma adequada. Por isso, é necessário que tenha contacto com o ser humano desde muito pequeno para reforçar o aspeto dócil.

Também é próprio do gato comum a sua grande inteligência e o ser reticente a receber disciplina. Por isso, quando quiser ensinar-lhe alguma coisa deve fazê-lo de forma suave, sem levantar a voz e, obviamente, sem castigos físicos. Se não for assim, o efeito será exatamente o contrário, porque vai ficar desconfiado e, inclusive, evitar o contacto..

Ainda que possa parecer contraditório face ao que acabámos de dizer, é realmente fácil de treinar por ser muito inteligente (apesar de devermos começar a ensiná-lo desde gatinho, com reforço positivo e com muita paciência, para que essa aprendizagem ocorra).

É fundamental para o gato brincar durante toda a vida, não apenas para diminuir a sensação de aborrecimento por não sair de casa, mas também para conservar um temperamento equilibrado e ajudá-lo a manter-se em forma.

Alguma vez se questionou se a cor do pelo influi no carácter do gato? Alguns estudos assim o dizem e comprovam.

CUIDADOS

Os cuidados a ter com o gato comum europeu são relativamente simples: é apenas preciso escová-lo para retirar o pelo morto – que aumenta durante a época da muda – proporcionar-lhe brinquedos para fomentar o exercício, deixar água para beber sempre à sua disposição e dar-lhe uma boa alimentação.

No que diz respeito à saúde, os verdadeiros inimigos naturais são os transtornos urinários. Para evitá-los, na medida do possível, não só deve ter água sempre disponível, mas também deve uma comida o mais adaptada possível. Para isso, é preciso ter em conta a idade e o facto de ter sido, ou não, esterilizado.

Estes alimentos adaptados podem ser combinados com alimentos húmidos, o que é conhecido como dieta mista e tem uma série de benefícios para a saúde do gato.

PARTICULARIDADES

  • Depois da esterilização ocorrem mudanças no metabolismo do gato, como por exemplo, o aumento do apetite e a diminuição das necessidades energéticas. Por isso, é preciso adaptar a alimentação depois da intervenção cirúrgica, especialmente para evitar o aumento de peso.
  • Alguns gatos têm sensibilidades especiais, tais como o aumento de peso, a formação de bolas de pelo ou a saúde urinária, entre outras, que podem ser tratadas com uma alimentação adaptada.

GATINHOS

  • O seu gatinho precisa de cuidados assim que chegar a casa. Mesmo que lhe pareça ser um lugar seguro, a casa está cheia de perigos e por isso deve preparar o ambiente adequado para prevenir a sua segurança.
  • O seu crescimento é relativamente rápido – costuma terminar aos 12 meses – e o seu desenvolvimento sexual é precoce (as fêmeas podem ter o primeiro cio ainda antes dos 6 meses).
  • Quando termina o processo de crescimento tornam-se, geralmente, gatos esbeltos, de tamanho médio a grande, e com uma musculatura bem desenvolvida, que os dota de uma agilidade extraordinária. Para poder desenvolver todas estas características, o gatinho tem de comer um alimento que lhe ofereça todos os nutrientes na quantidade e proporção adequadas, que também variam caso seja esterilizado antes de acabar de crescer.


O esconderijo perfeito

El escondite perfecto

Todos os que têm gatos conhecem o seu fascínio por caixas de cartão. Nunca lhe aconteceu ainda nem ter acabado de abrir uma caixa para retirar o seu conteúdo e ter logo o gato a cheirar a mesma para, de seguida, ir dormir no seu interior?



O banho

O banho

É possível que o nosso cão necessite de um banho em algumas ocasiões e não haja nenhum motivo higiénico para não fazê-lo, mas devemos respeitar certas normas.

A primeira é ajustar a frequência do banho às verdadeiras necessidades higiénicas do cão, uma vez que banhos muito frequentes podem causar algum transtorno à pele, um risco que aumenta se os produtos cosméticos utilizados não forem adequados.

É claro que, para o banho não ser uma tortura para o cão nem para o dono, é imprescindível que esteja habituado desde cachorro.

Tendo visto estas noções básicas, vamos agora ver como dar um banho com as melhores condições possíveis. Curiosamente, começamos pelas condições anteriores ao banho: o pelo deve estar desenriçado, senão, quando molhado, torna-se emaranhado e impossível de escovar, de modo que necessitará de ser cortado.

Mesmo antes do banho, deve ter-se preparados todos os utensílios, desde os produtos cosméticos até um tapete antiderrapante no fundo da banheira, passando pelas toalhas com as quais se retira o excesso de humidade.

Também é muito importante que a temperatura ambiente da divisão seja adequada, pois o cão pode constipar-se caso esteja demasiado frio.

Quando o cão estiver dentro da banheira, deve molhar-se cuidadosamente com água morna, quase quente. Não é imprescindível, mas se quiser deixar água no fundo da banheira, o nível máximo deve ser até roçar o peito, nunca acima disso pois pode dificultar os movimentos.

Quando o cão estiver completamente molhado, aplica-se o champô, que deve espalhar-se de forma homogénea por todo o corpo. Para tal, é melhor colocar uma pequena quantidade na palma da mão e aplicá-la em diferentes partes do corpo, para depois poder espalhar o máximo possível. É necessário ter em conta que se deitar toda a quantidade de champô necessária no lombo para depois espalhar, será más difícil que chegue de forma homogénea ao resto do corpo, uma vez que a quantidade máxima ficará concentrada no dorso.

A última parte que se deve ensaboar é a cabeça, e deve ter-se muito cuidado para não entrar espuma nos olhos, nas orelhas ou no nariz.

Depois de aplicar corretamente o champô, é necessário enxaguar o pelo de forma a conseguir eliminar completamente todo o champô, pelo que, mais uma vez, é de realçar a importância de aplicar pouca quantidade e espalhá-la de forma adequada.

Conforme as características do pelo, pode aplicar-se um condicionador, seguindo sempre as indicações do fabricante, pois alguns requerem esclarecimento quanto à sua utilização.

Depois de enxaguar bem, é preciso remover o excesso de água, primeiro pressionando suavemente com as mãos e depois com as toalhas, que temos preparadas desde o início. Depois de retirar o excesso de água vem a parte mais detestada por muitos cães, o secador, que apesar disso é imprescindível, uma vez que se o cão ficar húmido pode constipar-se ou causar alguma irritação na pele. Isto também deve ser feito no verão.

Deixámos este ponto para o fim devido à sua importância, mas antes de começar deve remover-se tudo o que se possa romper ou partir e se encontre ao alcance do cão, especialmente objetos de vidro!

  

O Dia Internacional do Gato

El Día Internacional del Gato

O gato, o animal de estimação mais popular do mundo atualmente, é a maior estrela da Internet, um lugar perfeito onde se partilham as mais divertidas “proezas” felinas, que antes só podiam ser apreciadas pelos membros da família.

Como seria de esperar, sendo um animal de estimação tão famoso – a população de gatos já ultrapassa os quinhentos milhões em todo o mundo -, não poderia deixar de ter direito a um dia internacional dedicado a ele.

Na verdade, devíamos dizer os dias internacionais do gato, já que são três: 20 de fevereiro, 8 de agosto e 29 de outubro. Porquê?



Nove conselhos de natal para o seu animal de estimação

Nueve consejos navideños para tu mascota

Durante estas festas, gostemos ou não, os nossos hábitos mudam: visitas de familiares, refeições mais abundantes e menos controladas, mudanças de horários, etc.

Logicamente, estas mudanças também afetam os nossos animais de estimação, muitas vezes para pior. Por isso, aqui deixamos alguns conselhos para que as festas de Natal não impliquem danos para o seu animal de estimação.

 

Como conservar os alimentos?

como-conservar-alimentos

Os alimentos processados têm garantias de conservação que o fabricante dá desde a data de embalagem até à sua abertura. Para isso, o fabricante põe em ação níveis de controlo exaustivos das matérias-primas e de todo o processo de fabrico, bem como de armazenamento.

No entanto, o que podemos fazer, a partir do momento em que abrimos a embalagem, para que o alimento se conserve nas melhores condições? Tudo depende do tipo de alimento.

Sin embargo, ¿qué podemos hacer a partir del momento en que abrimos el envase para que el alimento se conserve en las mejores condiciones? Todo depende del tipo de alimento.

Alimento seco

  1. O alimento seco, por natureza, é muito estável e a sua deterioração é muito lenta, desde que se respeitem duas regras básicas: mantê-lo na embalagem original tão bem fechada quanto possível e colocá-lo em local fresco, seco, sem luz solar direta. A grande inimiga do alimento seco é a humidade, porque o alimento absorve a água do ambiente e degrada-se mais rapidamente.
  2. Outra razão para manter os recipientes bem fechados e nunca sujeitos às intempéries é que os insetos depositam os seus ovos neles, onde se desenvolvem as larvas. Não se esqueça de que são uma fonte de alimentação perfeita também para estes animais.
  3. Por esta razão, é bom utilizar um recipiente contentor, mas é melhor que o alimento também permaneça na embalagem original, ou seja, deve colocar-se a embalagem original dentro do recipiente.

 

Alimento húmido

  1. Os alimentos húmidos, que se vendem principalmente em latas e saquetas, podem ser considerados alimentos frescos assim que a embalagem original tiver sido aberta, por isso a sua conservação é óbvia: devem ser guardados no frigorífico até serem consumidos completamente e o mais rapidamente possível.
  2. Também é preciso mantê-los tapados para que não sequem, já que assim perdem muita da sua palatabilidade.
  3. Na Royal Canin não recomendamos o congelamento dos alimentos húmidos porque se altera a textura e a composição, de forma que o animal normalmente não os come se tiverem sido congelados.

 



Dez conselhos de verão

Diez consejos de verano

O verão é a temporada de férias por excelência e muitos de nós levamos os nossos animais de estimação para aproveitar este período de descanso. No entanto, o que para nós é diversão e entretenimento, para o nosso animal de estimação pode implicar um ou outro transtorno. Estes são os nossos conselhos de verão.