A alimentação e as defesas

La alimentación y las defensas

O sistema imunitário é responsável por manter o funcionamento adequado do corpo, combatendo todos os elementos que o colocam em perigo, tais como os vírus e as bactérias.

Contudo, os vírus e as bactérias não são os únicos perigos do sistema imunitário, sendo que representa igualmente um risco para alguns processos internos a libertação de radicais livres.

Os radicais livres são moléculas instáveis que contêm um ou mais eletrões sem o par correspondente, o que faz com que procurem outros eletrões para ficarem estáveis. Devido à própria natureza , este processo dá-se frequentemente à custa de constituintes essenciais do organismo, por exemplo, as membranas celulares, as proteínas ou o ADN.

Tanto a produção de radicais livres, como a oxidação que estes exercem, fazem parte do metabolismo. No entanto, o problema surge quando os radicais livres são demasiado numerosos, o que pode ocorrer com as doenças, os poluentes e a radiação, mas também com o exercício e as lesões.

Por outro lado, está comprovado que uma boa alimentação ajuda o sistema imunitário a funcionar corretamente, devendo a mesma conter antioxidantes e ácidos gordos ómega-3. A este respeito, o ácido docosa-hexaenóico (DHA), ou ácido cervónico, é conhecido por ser essencial para o desenvolvimento e funcionamento adequado do cérebro e dos olhos. Este nutriente é essencial durante toda a vida do indivíduo.

Também os antioxidantes, tais como as vitaminas E e C, assim como os aminoácidos taurina e luteína, são igualmente importantes para ajudar a combater a degradação das funções imunitárias associadas à idade. As vacinas são igualmente ideais para fornecer uma melhor resposta imunitária, ao produzirem taxas mais elevadas de anticorpos, que também são adquiridas mais rapidamente.