A educação do gatinho

Educar bem o nosso gatinho é fundamental para garantir uma convivência feliz. Há muitas orientações que devemos ter em conta no momento de colocar isto em prática. Salientamos algumas das mais importantes.

PERÍODO DE SOCIALIZAÇÃO

É o período em que o gatinho está recetivo à aprendizagem. Compreendido da segunda à sétima semanas de vida. Tudo o que aprender durante este período irá marcar as bases do seu comportamento futuro (no que se refere a cães, crianças, à aprendizagem de horários, ao acostumar-se à escovagem diária, ao banho: tem de ser natural tudo aquilo que lhes caberá viver durante o resto da sua vida)

MÉTODOS SUAVES, RESPEITANDO A SUA PSICOLOGIA

A forma de ensinar um gato difere consideravelmente da que seguiríamos com um cão. É contraproducente segurá-lo contra a sua vontade, bater nele (nem que seja com um jornal) ou abordá-lo de forma brusca. Em seguida, aprendem o significado de um “não” ou um “chssss” prolongado.

UTILIZAR CASTIGOS INDIRETOS

Disparar água à distância (com uma pistola) é um dos métodos mais eficazes para dissuadir um gato de má conduta. Ele não relacionará essa chuva com ninguém e, portanto, não tornará a fazê-lo quando quando estiver sozinho, dado que pensará que a qualquer momento podem voltar a cair as indesejáveis gotas da água.

SER FIRME NAS DECISÕES

No momento de estabelecer condutas devemos ser implacáveis nas ordens: se estivermos a ensinar-lhe a não subir para o balcão da cozinha, nunca, nunca devemos vacilar nesta decisão. Basta permitir uma única vez e deitaremos por terra todo o caminho percorrido.

NÃO BRINCAR COM AS MÃOS

O gatinho deve aprender que as mãos fazem-lhe festas ou dão-lhe de comer. Por isso, não são um “elemento caçável”. Nos gatos, o jogo e a caça estão intimamente ligados, e se o acostumarmos a brincar com as nossas mãos, ele não vai entender por que é que às vezes pode e outras vezes não pode brincar com elas. Por isso, é uma orientação a evitar.

E POR ÚLTIMO...

Tenha em mente que nem sempre é fácil educar um gato. Aproximadamente 15% dos gatos são resistentes à socialização com as pessoas (especialmente aqueles que vêm da rua e que o seu período de socialização foi feito na ausência de seres humanos).